Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A "anedota" do Verão II

por Hilario Caixeiro da Cunha, em 29.08.12

Afinal os cidadãos Portugueses não residentes em Portugal aparentemente continuam muito interessados na vida política Portuguesa...

 

"Faixa com “Vai estudar ó Relvas” recebe ministro em Timor-Leste "

 

Até quando a "anedota" vai continuar?

 

Agora questiono-me se é algo sui generis ou algo orquestrado e não assumido...

 

Na literatura e no cinema as sequelas geralmente perdem para a parte I.

 

Veremos como terminará a "anedota" do Verão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A "anedota" do Verão

por Hilario Caixeiro da Cunha, em 28.08.12
De férias em Portugal, contaram-me a "anedota" da Volta à França:

 


 

Creio que o nosso blog não estaria completo sem um link a esta "anedota".

Concorde-se ou não esta "anedota" permite-nos saber que os cidadãos não residentes não estão totalmente alheios à realidade política portuguesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

As anedotas

por Margarida Bentes Penedo, em 11.03.12

 

Faço os possíveis por evitar sessões de anedotas. É mortal. Às vezes até começa assim assim. O pior é ter começado. A coisa vai deprimente até chegar o primeiro totó, a salentear-se com uma piadola grosseira. Não interessa o enredo, só tem que incluir mamas, rabos, pássaras ou pilas. Segue-se um riso alarve da audiência, que não achou graça nenhuma mas percebeu que era a deixa para se rir. O que não é mau, sempre alivia a tensão.

 

A seguir vem um encadeado de dichotes, frases feitas e trocadalhos. Os mais entusiastas começam a corrigir os outros entusiastas, porque a história não era "assim", "espera, deixa-me eu contar", "sim, mas antes tinhas que dizer que" não sei quê. Se houver casais presentes, é certo e sabido que um dos elementos conta o fim da anedota assim que o outro começa. Depois desentendem-se e ficam de trombas. É bom, são duas baixas. E há sempre aqueles puristas que fazem questão de devolver o rigor da coisa, o que implica ouvir aquilo tudo outra vez.

 

Alguns convivas começam a desfazer migalhas de pão. Naquele ponto, já ninguém ouve as graçolas dos outros. A rapaziada só espera que o comediante no uso da palavra acabe de contar o seu pesadelo, para cumprir o .protocolo (rindo-se) e procurar uma aberta para contar aquela piada que ouviu no outro dia, "Deus queira que não me esqueça da punch line". Já toda a gente conhece? Não interessa. "Agora chegou a minha vez". Depois, há dezassete foliões que contam a mesma anedota, com versões ligeiramente diferentes. "Eu sabia era assim": e bumba. Sem medo, sem qualquer espécie de misericórdia.

 

Aos mais débeis, nos quais me encontro, começa a faltar o pulso. Graças a Deus, nestes grupos, há sempre um alentejano. Ou uma alentejana, se estivermos com sorte. Nesses intervalos, pode-se respirar.

 

A partir de certa altura, começam a intercalar-se uns silêncios, cada vez mais embaraçantes, em que toda a gente olha para os pormenores decorativos do compartimento, na esperança de um milagre. Mas não. Segurem-se, chegou a hora das piadolas regionais. Costumo agarrar-me a um pacemaker.

 

Nas piadolas regionais as palavras acabam todas em "i", se a ideia for imitar um alentejano, e repete-se o vocábulo "compadri", frase sim, frase sim, com a pronúncia e a cantada de um palhaço rico. Não me vou debruçar sobre o que fazem às piadolas do norte porque, além da pronúncia trágica, revertem ao ponto já focado das grosserias.

 

Quando menos se espera, e o tormento parece já não poder agravar-se, entramos na fase do inglês, do francês e do português. Ou do alemão, do espanhol, e do curdo. Ou do cigano, do preto e do chinês. Não importa a etnia, este período é o mais asfixiante. Porque se trata de uma combinação letal de todos os ingredientes anteriores. Os enredos são sempre muito compridos, os comediantes voltam muitas vezes atrás, corrigem-se uns aos outros, já toda a gente ouviu aquilo, esquecem-se da punch line, fazem pronúncias e entram, uma em cada poucas ocorrências, na categoria mais ordinária.

 

A sessão acaba, invariavelmente, com um maduro resistente que não se cala em variantes de um tema qualquer. Na plateia, já poucos respiram. Deste ponto em diante não posso relatar. As duas últimas vezes que me vi nestes sarilhos acordei toda entubada, no hospital Amadora-Sintra, sem saber dizer o nome.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


"Aqui importa-se tudo. Leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciências, estilo, modas, maneiras, pilhérias, tudo vem em caixotes pelo paquete. A civilização custa-nos caríssimo, com os direitos de Alfândega: e é em segunda mão, não foi feita para nós, fica-nos curta nas mangas..."
Eça de Queiroz, in Os Maias




Comentários recentes

  • Swonkie

    Olá :) Enviamos um convite para o teu email. Caso ...

  • silva

    Como é possivel não cair! Se a corrupção que segun...

  • silva

    Como é possivel não cair! Se a corrupção que segun...

  • batidasfotograficas

    Para terem mais tempo para a família! Seria bom qu...

  • Tiago Sunzu

    Obrigado pelo seu comentário construtivo e com tan...


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D






+18314 até 8.8.11 no Blogspot