Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Uma agente cultural

por Margarida Bentes Penedo, em 26.06.12

 

 

A Raquel é jornalista e escritora. Em "jovem" (até perto dos 40 anos) deitava-se com "gajos" - na altura ainda não eram "fulanos", isso veio com a maturidade. Um deles tinha o apelido atraente, e escusou-se a repetir a farra porque não justificava outra viagem a Corroios. Uma guerra jurídica, com testes de ADN, obrigou "o gajo" a reconhecer a paternidade da Benedita, porque nem o nome da criança conseguiu enternecê-lo. Morreu de cancro, pouco tempo depois.

 

Ficou orfã a Benedita e atraente de apelido, uma vez que do pai não herdou mais nada. Conheceu uma variedade grande de sofás alheios, onde dormiu sempre que a mãe conseguiu que as amigas tomassem conta dela enquanto jantava, entrevistava, investigava e teorizava gajos. Ou fulanos. Ou directores. Ou candidatos. Ou especialistas. Ou editores, que a Raquel preparava-se para escrever um romance. Às vezes colegas de redacção, que a Raquel, nas suas palavras, não gostava de arranjar problemas laborais com a ralé. Um desses demorou-se lá por casa mais tempo do que era habitual, o suficiente para a Benedita ficar a saber que se chamava Vítor. E que tinha uma empresa de "conteúdos" ligados "à cultura" chamada Convicções Propícias, cheia de "contactos". E que a mãe odiava as camisolas que ele vestia, e a maneira como pronunciava os "erres", e nem sempre lhe atendia o telemóvel.

 

A Benedita viu como eles se cansavam a trabalhar, porque respiravam depressa e com muito barulho, e a mãe dobrava as pernas em posições muito esquisitas, e deixava as roupas espalhadas por cima das almofadas da sala e penduradas no poster do Paul Klee, e tinha as costas todas lambuzadas com tofu, e diziam coisas que a Benedita não percebia, acerca da "formação social" e da "instância do económico", e o Vítor tropeçava na ficus benjamina, e respondia com a "sobredeterminação da instância dominante" enquanto apertava um cachecol de tricot à volta dos pulsos da mãe, e a mãe gritava pelo "materialismo aleatório" e tinha uma pastinaca na mão, e no fim quem é que ia limpar aquilo tudo?

 

Mudaram de casa, foram viver para as Avenidas Novas, e a Raquel disse ao Vítor que "precisava de espaço". O Vítor deu o seu melhor. Entrou "em diálogo". Adoptou a Benedita, que se viu na contingência de passar a tratá-lo por "pai". Mas a Raquel não voltou atrás, e a Benedita passou a estar com o Vítor em fins de semana alternados, às quartas feiras para jantar no japonês, na véspera de Natal e durante metade do período de férias escolares.

 

Passados uma série de fulanos, a mãe começou a entrevistar o Zé Gonçalo, que a Benedita conhecia do Liceu Francês porque era pai de uma colecção de irmãs, as Fonseca Bastos, e costumava ir buscar as filhas às quartas feiras num carro escuro com a bandeira de Portugal no capot.

 

"Por insistência do Zé Gonçalo", a Raquel passou a andar muito ocupada a presidir a um "organismo da cultura". E a Benedita percebeu, passado um tempo, quando o governo caiu e o Zé Gonçalo já não era ministro nem andava lá por casa, que era dele que a mãe falava na televisão, dizendo que "a direita, ignorante e trauliteira", tinha "passado as últimas décadas a oferecer-nos gentinha deste género, como o dr. Fonseca Bastos" e que "toda a sua biografia" demonstrava que ele era "um carreirista praticamente analfabeto", e que não entendia "como é que as pessoas estavam tão surpreendidas".

 

Distraí-me uns anos e perdi o rasto à Benedita. Mas sei da Raquel que continua a participar em debates televisivos e a escrever (para os jornais; que se saiba, ainda não publicou nenhum romance). Sei também que, nas redes sociais, é considerada uma pessoa muito contundente.

 

 ______________

 

Nota: Pura ficção. Qualquer semelhança com nomes, factos ou não sei quê, é simples coincidência.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Diogo Duarte Campos a 28.06.2012 às 15:25

Comnfesso curiosidade em falar contigo sobre esta pura ficção! Grande Post!
beijos

Comentar post



"Aqui importa-se tudo. Leis, ideias, filosofias, teorias, assuntos, estéticas, ciências, estilo, modas, maneiras, pilhérias, tudo vem em caixotes pelo paquete. A civilização custa-nos caríssimo, com os direitos de Alfândega: e é em segunda mão, não foi feita para nós, fica-nos curta nas mangas..."
Eça de Queiroz, in Os Maias




Comentários recentes

  • Swonkie

    Olá :) Enviamos um convite para o teu email. Caso ...

  • silva

    Como é possivel não cair! Se a corrupção que segun...

  • silva

    Como é possivel não cair! Se a corrupção que segun...

  • batidasfotograficas

    Para terem mais tempo para a família! Seria bom qu...

  • Tiago Sunzu

    Obrigado pelo seu comentário construtivo e com tan...




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D






+18314 até 8.8.11 no Blogspot